Nosso 1º ano em Niterói e conhecendo novos autores

Há alguns anos, já conversávamos Arthur (marido) e eu, sobre como seria morar em Niterói. As praias, as orlas, a grande praça verde cheia de brinquedos… E o principal, muitos espaços ao ar livre! Era tudo o que gostaríamos para as crianças na idade em que estavam. Morar em um apartamento, mesmo num tamanho que considerávamos ótimo, pedia um espaço como quintal. Não era só um bom play como já tínhamos. Era algo a mais. Faltava coragem para mudar. Já tínhamos tudo estruturado em nosso antigo bairro – família, amigos, igreja e a nossa rotina agradável. Mas queríamos um quintal ao ar livre! E faltava coragem. Dinheiro também.

Em uma das visitas à família do Arthur, como tantas outras que aconteciam esporadicamente, fizemos umas contas rápidas e tomamos uma decisão. Ou agora, ou não mais! Nós dois tivemos o mesmo pensamento, a mesma vontade, a mesma coragem. Era o que bastava! Foi tudo muito corrido, em menos de quatro meses, já estávamos em outro apartamento, outro bairro, outra cidade. Outra escola! A escola das crianças, isso sim, era nossa maior preocupação. Mas a adaptação delas foi muito melhor do que imaginávamos. Crianças aprendem rápido mesmo. Adaptam-se rápido também. E isso foi maravilhoso! Um Continue lendo “Nosso 1º ano em
Niterói e conhecendo novos autores”

Catalogando nossos livros

Esses dias, as crianças ganharam uma caixinha, bem simples, de papel tipo cartolina. Era uma caixinha para incentivar as crianças a catalogar seus próprios livros, sua biblioteca de casa. Eles nem sabiam o que era catalogar um livro, para que servia uma fichinha. Sim, veio uma fichinha junto da caixinha como modelo. Foi um ótimo momento para ensiná-los algo novo relacionado aos livros. Coisa de gente grande, disseram. Sempre gostei muito de organizar papéis e arquivos, mas em casa, principalmente com filhos pequenos, não temos tempo nem vontade para esse tipo de tarefa. Resolvi apostar. Era uma oportunidade a três. Era algo que sempre gostei de fazer, então, passaria para eles uma qualidade minha. Pelo menos uma qualidade que tinha (rsrsrs).

Lá fui eu para o computador fazer fichinhas. Coloquei número (com as fichinhas numeradas, poderíamos saber quantos livros temos em nossa biblioteca). Acrescentei o título, autor, ilustrador (sim, muito importante o ilustrador), a data de chegada do livro e o que mais marcou na história, junto com o resumo. Outro item que as crianças estão aprendendo, fazer resumos das histórias que leram para preencher na ficha. Parecia até trabalho de casa da aula de bibliotecando da escola (lembraram). Acho essa aula de extrema importância para eles, com projetos bem bacanas. Acho até que todas as escolas deveriam ter, até a idade da adolescência. Continue lendo “Catalogando nossos livros”

Meus livros: A Princesa Lavínia e O Príncipe Bernardo

As crianças sempre me escrevem bilhetinhos, recadinhos e cartinhas. Sempre fazem desenhos, pinturas e artes. São tantas, mas tantas, que não tenho mais onde guardar! E não tem jeito, tenho que jogar fora alguns… Mas Arthur diz que pretende passar nossa velhice lendo e relendo todas essas cartinhas de amor dos nossos filhos.

Um dia desses, foram eles que me pediram para escrever para eles! Afinal, eu só recebo, não é?! Também querem saber o que penso, como desenho, como pinto… Continue lendo “Meus livros: A Princesa Lavínia e O Príncipe Bernardo”